Programa REM Acre – Fase II

Estado incentiva formação de novos agentes agroflorestais indígenas

Vítor Hugo Calixto – 17 de março de 2022

Os povos indígenas do Acre prestam um importante serviço de reflorestamento e conservação do bioma amazônico no estado. Para intensificar essas ações, na última terça-feira, 15, foi iniciado o XXVII Curso de Formação de Agentes Agroflorestais Indígenas (AAFIs), que contribui para o saber e prática ambiental desses profissionais no dia a dia das suas aldeias. O evento foi realizado no Centro de Formação dos Povos da Floresta.

O XXVII Curso de Formação de Agentes Agroflorestais Indígenas (AAFIs) é uma iniciativa do Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e das Políticas Indígenas (Semapi), custeada com recursos oriundos do Programa REM Acre Fase II. A parceria é fruto de cooperação financeira entre os governos do Acre, da Alemanha e Reino Unido para implementação de projetos voltados para conservação das florestas e cuidados de suas populações. A sigla REM significa REDD Early Movers, em português REDD+ para pioneiros.

Indígenas na aula de arte de ofício. Foto: José Caminha/Secom

A capacitação é realizada pela Comissão Pró-Índio do Acre (CPI/AC), em parceria com a Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre (AMAAIAC) e abrange diversas áreas, desde a arte de ofício até o manejo ambiental.

“Incentivar o protagonismo dos indígenas em suas comunidades é um dos focos do curso. Essa é a forma que a gestão trabalha, ouvindo os indígenas e apoiando projetos que eles definem como prioritários”, conclui Israel Milani, secretário de Estado do Meio Ambiente e das Políticas Indígenas.

O professor destacou a importância do trabalho desenvolvido na CPI/AC para as comunidades indígenas de  todo o estado. Foto: José Caminha/Secom

O Curso de Formação

coordenadora executiva da Comissão Pró-Índio, Vera Olinda, destaca a importância do curso, que aprofunda o conhecimento dos indígenas que querem se tornar agentes agroflorestais: “Essa capacitação vai garantir um aprofundamento na área de conservação da floresta, principalmente na segurança alimentar e manutenção de paisagem. Esse é um trabalho pioneiro no Brasil e no Acre, e vem contribuindo para a redução do desmatamento e a manutenção da biodiversidade e equilíbrio do clima”.

Os indígenas durante um mês vão se aprofundar no conhecimento dos modelos de agroflorestas nas comunidades acreanas. O professor do curso e coordenador pedagógico do Programa Agroflorestal Indígena, Renato Antônio Gavazzi, afirma que os resultados já são visíveis.

Pupuã, Pedro Evaristo, participa desde 2014 e espera poder levar o aprendizado para a sua aldeia Foto: José Caminha/Secom

“Os resultados já aparecem, vemos evolução na implementação da recuperação de mata ciliar, reflorestamento, enriquecimento de capoeira, enriquecimento de roçado, implementação dos sistemas agroflorestais nos quintais, além de trabalhar no manejo e conservação de animais”, afirma Gavazzi.

O centro de formação oferece cinco modalidades de implementação nos cursos: presencial; oficinas itinerantes, que acontecem nas aldeias; rede de intercâmbio; implementação; e a monografia. Os agentes agroflorestais se formam após um período de sete anos de formação contínua. De acordo com o professor, são 5420 horas/aula para a conclusão do curso.

Bane, o Antônio Kaxinawá, é uma liderança indígena experiente no projeto. Foto: José Caminha/Secom

“Comecei a formação em 2014, e hoje estou continuando o curso para ser reconhecido como agente agroflorestal. É importante levar o conhecimento às nossas aldeias e cada família coloca em prática o que aprendemos aqui”, comenta o indígena Pupuã, Pedro Evaristo Muniz, do povo Nukini, terra indígena Recanto Verde.

O Bane, Antônio de Carvalho Kaxinawá, do povo Huni Kui, terra indígena Nova Olinda, afirma que está no curso para trabalhar como gestor ambiental dentro da sua aldeia: “Nós trabalhamos com recursos naturais, para que não faça falta para nós no futuro. Fazemos o reflorestamento e a preservação da floresta. É muito importante que esse conhecimento chegue a todos os nossos parentes, para que possamos organizar os recursos naturais dentro das nossas terras”.

Fotos: José Caminha/Secom

Translate